Eu, você e o Coletivo Cultura Jundiaí

Felizmente 2012 esta chegando ao fim. Um ano intenso, repleto de bons e maus acontecimentos, erros e acertos, conquistas e perdas. Longos dias, semanas e meses que nos fizeram crescer e amadurecer. Apesar da imensa felicidade com a chegada de 2013, essa noite me vi divagando sobre todas as experiências que vivi, e fui atingida por um grande sentimento de nostalgia.

Por isso, gostaria de fazer uma breve (ou não!rsrs) retrospectiva do ano em relação ao Coletivo Cultura Jundiaí, e conseqüentemente,  da minha história que foi contaminada por um amor incondicional pela arte/cultura. Estão todos convidados para essa viagem!

Janeiro:

Comecei a estagiar no caderno de cultura do Jornal da Cidade de Jundiaí, o Sirva-se. A partir daí, com a ajuda do editor William Brasil, o JC passou a servir como um grande laboratório, no qual posso por em prática os conhecimentos absorvidos junto ao programa Rumos Jornalismo Cultural, do Itaú Cultural.

Nesse mesmo mês, já nascia o sonho de desenvolver um produto midiático que abordasse o tema com mais profundidade. Ainda sem conhecer a jornalista Anna Lydia, participei de reuniões e tentei parcerias com outros amigos, no entanto, as ideias permaneceram imaturas.

Fevereiro:

Após uma gostosa tarde com Carmen Nogueira e Lívia Maria Siqueira, decidimos retomar as atividades do projeto Cultural Jundiaí. Muitas ideiais, planos e uma programação para o ano todo. É importante ressaltar que a página do Cultura Jundiaí, existente desde 2010, nunca deixou de ser atualizada pela Carmen, e a intenção foi fortalecer o projeto.

Março:

O Cultura Jundiaí abre concurso para a escolha de um novo logo. Infelizmente, por culpa da pouca divulgação, contamos com apenas um participante e cancelamos a ação.

Ainda assim, com um mês de trabalho já era possível notar as mudanças. A partir dos esforços de nós três, a página passou a ser abastecida com mais freqüência e novos interessados surgiram.

Abril:

O Arte no Galpão, evento voltado a cultura independente, estreou no Ateliê Casarão, e o Cultura Jundiaí, esteve presente para realizar a cobertura fotográfica. Este momento marcou o início de uma nova fase do projeto Cultura Jundiaí, pois a página deixou de ser apenas um espaço de divulgação antecipada dos eventos.

Maio:

Infelizmente, alguns planos feitos em fevereiro se perderam em meio à pressão do dia a dia. Mas após uma reunião com Ede Galileu, Claudio de Albuquerque, Carmen Nogueira e Henrique Parra, decidimos dar um novo rumo ao projeto Cultura Jundiaí, transformando-o em um coletivo dedicado a luta por políticas públicas culturais. Agregar e mobilizar se tornaram as palavras de ordem!

Junho

Por um mês as ideias amadureceram, e em Junho começamos a mapear pessoas que poderiam contribuir com o coletivo, ajudando a pensar em iniciativas e propostas de políticas públicas culturais para a cidade de Jundiaí. Nesse mês fizemos o 1º Sacode #CulturaJundiahy, e também “nasce” à ilustração do artista Ede Galileu, que hoje é a foto de perfil da página do Coletivo Cultura Jundiaí.

Julho

O Coletivo Cultura Jundiaí promove seu lançamento público no Ateliê Casarão. Além dos participantes do Coletivo e apoiadores, o lançamento também contou com a presença da secretária de Cultura, Penha Camunhas, o diretor dos teatros Glória Rocha e Polytheama, Carlos Pasqualin, os candidatos a prefeito Pedro Bigardi (PCdoB) e Vanderlei Victorino (PSOL), além de Jorge Reis, representante do candidato Ibis Cruz (PTN), e alguns candidatos a vereador.

O lançamento público da um “start” nos encontros de elaboração da carta de propostas. Em um processo colaborativo e dinâmico, todas as ideias voltadas à cultura já lançadas no site Cidade Democrática foram debatidas no 1º Debate de Propostas Culturais, a fim de aprimorar cada uma delas, e estimular a criação de novas propostas e intervenções do Coletivo.

 

Agosto

Analisar, criticar e debater sobre o que ainda não temos na cidade é uma atitude pertinente e necessária, no entanto, valorizar o que já foi feito em Jundiaí é extremamente importante. Por isso, no debate de agosto o Coletivo identificou quais são as “Qualidades da cultura jundiaiense”.

Setembro

Para dinamizar os encontros do Coletivo, organizamos a primeira intervenção cultural em Jundiaí, o “Tô na Praça!”. Durante todo o domingo (dia 2), um pequeno espaço da Praça da Rosas – em frente ao Hospital São Vicente de Paulo – recebeu cuidados como pintura nos bancos, plantio de rosas e caixinha com livros gratuitos, além de decorações com amarelinhas, frases, poemas, pequenos tsurus (origamis de pássaros) pendurados nas árvores e lambe-lambes no ponto de ônibus.

Outubro

A carta de compromissos é finalizada e entregue aos candidatos a prefeito de Jundiaí. A carta significa muito para o Coletivo, e principalmente para nossa história. Começamos a mudar a lógica dessas eleições, e pela primeira vez os artistas se unem para dizer o que querem para sua cidade. Ao contrário de outras campanhas, onde os artistas serviam de chamativo para os partidos, e escondiam a falta de interesse e conhecimento dos candidatos em relação a cultura (afinal, “cultura não da voto”). Em resumo, para nós a carta representa: “ESTAMOS AQUI, E VAMOS COBRAR!”

Novembro

Já com o novo prefeito escolhido, o Coletivo Cultura Jundiaí consegue marcar um “Bate-papo sobre a nova gestão cultural em Jundiaí” com o representante do Pedro Bigardi, o presidente do PC do B, Tércio Marinho. Depois de apresentarmos os ideais do Coletivo, e a carta de propostas de políticas públicas culturais assinada pelo próximo prefeito, todos os presentes puderam fazer suas perguntas a Tércio Marinho.

Até então não havia sido anunciado quem seria o futuro secretario de cultura, mas Tércio garantiu que o diálogo com os artistas seria permanente na gestão Bigardi, através do Conselho Municipal de Cultura, e de encontros como o promovido pelo Coletivo Cultura Jundiaí.

Por entender que não temos o poder de intervir na escolha do próximo secretário de cultura da cidade, preparamos uma dinâmica “Carta de Princípios”, dizendo qual o o perfil do “secretario de cultura dos nossos sonhos”.

Dezembro

Como previsto por muitos, Tércio Marinho é nomeado como próximo secretário municipal de cultura de Jundiaí. O que de certa forma nos conforta, pois afinal, foram mais de duas horas de bate-papo, no qual Tércio se compromete com os artistas da cidade. Temos vídeos do evento, em breve postaremos as imagens.

Enquanto isso, a página do Cultura Jundiaí chegou a 1.035 fãs, e hoje conta com 20 administradores que ajudam a divulgar os eventos que acontecem na cidade. A página agora anda com suas “próprias pernas”, é atualizada com freqüência e de forma colaborativa. É o sonho virando realidade!

Paralelo a isso tudo nasceu o site Garimpo Cultural. Um projeto totalmente inspirado na mobilização e nos ideais do Coletivo Cultura Jundiaí. Ao lado da amiga, e sócia, Anna Lydia Acuio, e com o apoio da Agência Laurxux e AllanArt, mais um sonho se realizou.

Boa parte dessas lembranças podem ser conferidas na página do Cultura Jundiaí e no Causes. Gostaria muito que também me contassem a história de vocês! =)

Anúncios

1 Comentário

Filed under Cultura

One response to “Eu, você e o Coletivo Cultura Jundiaí

  1. Pingback: A arte da coletividade | Revista Garimpo Cultural

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s